Espaço e Ciência

Esta página tem como objectivo dar a conhecer outras vertentes e projectos dos astrónomos amadores, todos aqueles que caibam no âmbito do Espaço e Ciência, com destaque para a área da astrofotografia, astronáutica, a construção de Telescópios de média dimensão, pesquisa de meteoritos e atribuição de certificados de mérito aos nossos associados, bem como a eventuais participantes externos que se distingam por iniciativas relevantes na nossas actividades, trabalhos esses em compilação para divulgação neste espaço.

Os microfoguetes, já ensaiados nas nossas actividades com jovens das escolas, são uma breve demostração do princípio do foguetão quando lançado para o espaço. Mas este grupo associativo pretende ir mais longe, isto é, dar início a ensaios e construção de foguetes de maior dimensão, uma vertente interessante e hoje bastante difundida a partir da NASA.

Vamos, pois, aqui dar conta de todos esses nossos projectos.

Projectos

Instalação de telescópio

Desde sempre está na forja o projecto piloto que integra a instalação de um telescópio junto da Casa do Areeiro, com uma estrutura minimamente consentânea com os nossos trabalhos já desenvolvidos e direcionado para os astrónomos da Madeira e também para o exterior. O nosso objectivo primordial é colocar a Madeira no meridiano da ciência do espaço e competir com os melhores telescópios terrestres. A captação de imagens ensaiada tem bases sólidas para tão altos voos e diremos de forma aberta que apenas nos falta o equipamento apropriado…Aguardemos por ele!

Astrofotografia

Os primeiros passos nesta vertente científica foram ensaiados pelo Marco Joaquim que dispõe em arquivo de trabalhos significativos, captados na sua maioria na Assomada, Caniço. Existem alguns do Sandro Correia, captados no Funchal, e apenas um deles, da autoria de Fernando Góis que foi registado no Pico do Areeiro, em 2004, no início do trânsito de Vénus.

Os mais importantes até hoje realizados têm a marca do colega Duarte Silva que, dispondo de um equipamento completo neste campo, tem já centenas de imagens captadas do céu profundo, concretamente de galáxias, nebulosas, enxames estelares, mas também da área planetária e do disco solar. São, na sua maioria, aquelas que constam na nossa página da astrofotografia. Ele prossegue estes trabalhos em contínuo de tal forma que as suas imagens percorrem mundo junto de centenas de astrónomos e inclusivé universidades e comunidades científicas internacionais que registam a excelente qualidade que elas contêm, servindo junto destas de objecto de estudo científico. Significa isto que os locais desta Região são dos melhores do mundo para a captação de imagens do céu. Epor aqui não vamos ficar!

Construção de telescópios: 

No que toca aos telescópios, a pretensão da AAAM não poderá ficar pelos pequenos telescópios de amadores. Quando a astrofotografia é hoje uma mais valia para os investigadores do espaço, este grupo associativo tem como objectivo construir um telescópio de 60 cm de diâmetro para essas tarefas.

Dessa forma, o nosso primeiro projecto de telescópio – um Dobson 600mm – será uma mais valia para a vertente da astrofotografia, hoje uma área científica que os astrónomos não podem descurar. O ideal seria um telescópio com um espelho de 1000mm (1 metro), mas a ausência de apoio à astronomia nesta Região, experimentada desde o início da nossa vida, leva-nos, como sempre, a ser bastante comedidos e realistas. O  seu esboço está em preparação e dele daremos conta logo que oportuno. Aqui fica uma imagem de um equipamento identico, gentilmente cedida pelo nosso colega francês Frédéric Géa:

Pesquisa de meteoritos:

É uma valência da astronomia muito interessante que tem como objectivo dar a conhecer as joias do espaço que chegam até nós. Este projecto da AAAM integra a pesquisa e recolha de “pedras” na RAM como uma tarefa habitual dos astrónomos da AAAM ao longo dos próximos tempos, tendo em vista selecionar todas as que contenham características idênticas aos meteoritos caídos do espaço. Para tanto a AAAM constituiu um grupo voluntário de associados com formação adequada para “varrer” qualquer área de terreno com potencial geológico direcionada para estes trabalhos de pesquisa. Num futuro próximo pensamos, em alguns casos, agregar escolas a estes projectos.

Construção de foguetes:

Desde 2004 que os astrónomos ensaiam, embora em pequena escala, o sistema de microfoguetes nas escolas a partir de um foguete de 52 cm, com dois estágios, adquirido no Brasil e montado nesta Região Autónoma pelos astrónomos da AAAM: Sandro Correia, Francisco Escórcio e Fernando Góis. Por razões várias, lamentamos não ter havido continuidade no projecto de construção de um foguete na Madeira, projecto esse que agora foi novamente relançado e pretende-se estar concluído em Abril de 2013, data do 12º aniversário deste grupo associativo. Aqui ficam algumas imagens do primeiro foguete lançado pelos astrónomos em 9 de Setembro de 2004 no Paúl da Serra.

 

 

 

 

Certificados de mérito e participação:

A Direcção deste grupo associativo não ignora a iniciativa e a assiduidade participativa dos nossos associados em qualquer dos nossos trabalhos e actividades desenvolvidas ao longo do ano. Para distinguir actos e relevantes trabalhos que prestigiem esta associação, foi determinado fixar a atribuição de certificados de participação e mérito caracterizados com um nível crescente e que materializam os objectivos de todos quantos trabalham  para o grupo. Igualmente, a título excepcional, foi decidido atribuir idênticos certificados a elementos exteriores, desde que esses elementos tenham participado e revelado especial mérito nesses mesmos trabalhos quer com a sua assiduidade quer com as suas relevantes iniciativas em prol da associação.

Assim sendo, foram escolhidos os seguintes níveis de certificados de mérito:

1) Certificado Estrela Polar – Primeira estrela atribuída a quem, junto dos nossos trabalhos e actividades, revele conhecer mínimamente o funcionamento da esfera celeste.

2) Certificado Ursa Menor – Três estrelas atribuídas a quem, acompanhando os nossos trabalhos, revele saber bem manusear o seu equipamento de observação (telescópio).

3) Certificado Ursa Maior – Cinco estrelas atribuídas a quem, manuseando bem o seu equipamento, tenha a iniciativa de lançar-se na introdução à astrofotografia executando trabalhos nessa área. Esta distinção também é atribuída automáticamente a qualquer membro que perfaça 12 anos de associado sem qualquer interrupção.

4) Certificado Universo – Seis estrelas atribuídas a quem, abrangido pelas componentes anteriores, se distinga pelo seu trabalho na área dos equipamentos, foguetes, astrofotografia ou investigação científica;

Email geral: aaam@astronomiamadeira.net