Palestra “Viagem pelo sistema Solar” – Curral das Freiras

A AAAM esteve presente numa aula diferente para alunos dos 7ºs, 8ºs, 9ºs e cursos profissionalizantes da escola Básica e Secundária do Curral das Freitas.

Subordinado ao tema “Viagem pelo sistema Solar”, os alunos tiveram contacto directo com questões do dia-a-dia (dia e a noite, formação do sistema Solar, translação e estações do ano) retratadas de forma mais leve e com exemplos práticos.

Ao professor João Ferreira, o nosso muito obrigado pelo convite.

Palestras Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco

Realizaram-se no passado dia 8 e 10 de Novembro de 2011 duas palestras destinadas a alunos de 10º e 7º ano, respectivamente.

Com temas desde os modelos cosmológicos, com passagem na formação do Sistema Solar, nascimento, vida e morte de uma Estrela, movimentos do Sistema Terra-Lua, entre outros, os alunos daquele estabelecimento de ensino tiveram uma manhã diferente, cheia de Astronomia.

Ficam algumas imagens (10 de Novembro, 7º ano):

[nggallery id=58]

Observação – Escola Básica da Assomada/Caniço

A Escola Básica da Assomada, não Caniço, franqueou as portas aos astrónomos da AAAM. Esperavam-nos cerca de 50 pessoas, entre alunos, pais e professores, entusiasmados para uma observação aos astros. Foi planeada uma actividade direccionada para a observação da Lua, Nebulosa de Orion, Marte, Saturno, e as galáxias M101 e M104. Apresentou-se-nos um céu nublado que gradualmente nos foi impedindo de ver as estrelas e os planetas, deixando-nos perante uma Lua, meia iluminada, que o telescópio nos permitiu observar, nos bons momentos de abertas, as crateras, montanhas e planícies.

O início da sessão incidiu sobre o tema da orientação, lugar do observador, como observar e por onde começar a observação dos astros. Convidados a ensaiar a prática da orientação, os alunos, principalmente os de 3º e 4ºs anos, não se mostraram rogados e rapidamente demonstraram que esse conceito estava bem registado na sua aprendizagem.

Logo de seguida, abordou-se o tema da Lua, ao mesmo tempo que as crateras, mares e montanhas deste satélite natural, foram sendo observadas pelos mais jovens. Entusiasmados com o desenvolvimento, pelo monitor, das suas características físicas bem detalhadas, não arredaram pé e teimosamente colocaram imensas questões que incidiram sobre as fases, nomes das crateras, mares, gravidade e a vida possível de um astronauta na Lua.

Daqui passou-se ao sistema solar e principais planetas, razão porque Plutão foi afastado da lista dos planetas clássicos, velocidade do foguetão que parte para uma viagem à EEI e distâncias no sistema solar. Em face do tempo nublado não permitir a observação de Marte, Orion, Saturno, ou qualquer constelação, a interacção alunos/monitor prolongou-se até às 22h30, altura em que foi encerrada a sessão. As presenças mantiveram-se firmes até ao fim demonstrando uma atenção excepcional, o que muito nos surpreendeu. Mais, as crianças solicitaram a repetição da actividade para observar as constelações e o planeta dos anéis, sugerindo os srs. Professores que ela se verificasse entre finais de Maio e princípio de Junho.

[nggallery id=47]

Relatório de Actividade Fórum de Astronomia no CCV Porto Moniz

Data: 2009/09/03
Hora: 10h00
Local: Auditório do Centro Ciência Viva do Porto Moniz
Tema: Forum de astronomia

Uma autêntica surpresa a actividade realizada no CCVPorto Moniz. De um fórum de astronomia, inicialmente previsto, alterou-se para uma sessão especial direccionada para invisuais. Os elementos do público eram poucos, cerca de cinco, pelo que o grupo de 22 invisuais superou os condicionalismos previstos. No que se refere ao fórum nada foi alterado, uma vez que a sessão foi aberta a todo o público presente.

A sessão iniciou-se com a apresentação do trailer (música) do AIA2009, para de seguida passar-se a uma breve introdução centrada na noção de astronomia e seu objecto. O que observar, quando e como observar. A posição do observador e a orientação celeste. Os astros do sistema solar, suas dimensões e os telescópios.

Dos primeiros minutos da teoria passou-se à vertente prática. A maior bola de esferovite simulou o Sol e o seu tamanho. A segunda, muito mais pequena, deu uma ideia comparativa da dimensão da Terra. Por fim, uma minúscula esfera, talvez com ¼ da anterior, deu para entender o tamanho da nossa Lua. Todas elas rolaram pelas mãos do grupo de invisuais que, no fim, retiveram uma noção aproximada das dimensões destes astros.

De seguida, o conteúdo exposto versou, de forma prática, os telescópios. Abordou-se a estrutura da luneta e o telescópio reflector. As mãos de todos os invisuais passaram lenta e gradualmente por cada um dos componentes destes dois instrumentos. De forma surpreendente mostraram, na sua maioria, um grande interesse em conhecer, primeiro, a luneta e do que consta. Depois, localizar os espelhos primário e secundário, de como é composto e como funciona o tripé, para que serve o buscador, de que lentes se socorrem os astrónomos para observar e que aumentos elas comportam. Os elementos mais jovens foram aqueles que mais perguntas e toques solicitaram juntos dos equipamentos. As imagens falam por si. Outras mais questões foram colocadas, com destaque da razão porque a sessão não abrangia outros temas: as nebulosas, galáxias e estrelas cadentes. Perante a falta de elementos físicos de apoio para explicar e melhor compreender estas questões por parte dos invisuais, o monitor pediu desculpas por essa omissão e limitou-se a transmitir uma explicação teórica, o que deixou um pouco defraudados os presentes.

Fica aqui o registo desta actividade, com a promessa de que o CCVPM tudo fará para que, no mais breve espaço de tempo possível, possa receber e disponibilizar todo o apoio a qualquer grupo de elementos do público que o visitem, mesmo que invisuais.

Seguem 5 imagens.

Monitor responsável: Fernando Góis
Colaboradores: Roberto Telo e Daniel Fernandes
Fotografia: Etelvina Góis

[nggallery id=42]

Imagens da Sessão de Observação na Escola de Machico

Decorreu no passado dia 27 de Junho de 2008 uma sessão de observação nocturna na Escola de Machico.

Foram observados os planetas Saturno e Júpiter, alguns objectos no Escorpião e pouco mais devido à forte poluição luminosa que se fazia sentir na cidade.

Ficam as imagens: