Astronomia

A história da astronomia trata de um período de tempo tão antigo quanto a origem do homem. Das ciências naturais, ela é a mais antiga, tendo algumas descobertas arqueológicas mais recentes, fornecido evidências de observações astronómicas entre os povos pré-históricos. Assim sendo, desde a antiguidade, o céu vem sendo usado como mapa, calendário ou relógio para algumas civilizações. O desejo de conhecimento sempre incentivou o estudo da astronomia, seja por razões religiosas, seja para a predição de eventos. No início, a astronomia coincidiu com a criação da astrologia, representando tanto um instrumento de conhecimento quanto de poder. Só depois do advento do método científico, a ciência passou a fazer uma clara separação disciplinar entre astronomia e astrologia.

Desde os tempos antigos, os homens pesquisaram e aprenderam uma grande quantidade de dados sobre o universo simplesmente a observar o céu. Os primeiros astrónomos faziam uso ou dos seus pontos de vista ou de alguma ferramenta rudimentar a fim de calcular a posição das estrelas. A antiga compreensão da mecânica celeste contribuiu para a criação de uma “agenda” ligada às estações do ano e da lua, trazendo consequências positivas para a agricultura. O conhecimento de antemão da transição de uma estação para outra foi de fundamental importância para a capacidade de sobrevivência do homem antigo. Por isso, a investigação do céu sempre constituiu um importante elo entre o céu e a terra, entre o homem e Deus(ou entre o homem e os deuses) .

Com a invenção do telescópio, o homem conseguiu cavar mais fundo na dinâmica celestial, abrindo uma “janela” mais ampla sobre o universo e suas regras. O desenvolvimento técnico aliada a exploração do espaço procurará expandir ainda mais o campo de investigação e conhecimento do cosmos, sendo o infinito o objectivo.