A Associação

Breve História da AAAM

 

A 24 Abril de 2001, pelas 21h00, na Escola Profissional do Atlântico, Funchal, teve lugar a primeira reunião de trabalho tendo em vista eleger uma comissão organizadora do Grupo de Astrónomos Amadores da Madeira.

Este encontro teve origem numa convocação lançada uma semana antes por Fernando Góis, precisamente num dos seus textos de astronomia que têm carácter mensal na Revista Mais, Diário de Notícias da Madeira, tendo no final solicitado a todas as pessoas intituladas de astrónomos amadores que participassem nessa reunião.

Esse apelo surtiu efeito e no encontro participaram os seguintes elementos que tinham as seguintes ocupações: Fernando Góis (funcionário judicial), Marco Joaquim (engenheiro da TAMPER), Duarte Joaquim (professor do ensino secundário, já falecido), Fernando Silva (formador do ensino profissional), Ângela Andrade (técnica veterinária), Miguel César de Barros (estudante, com 16 anos), Nuno Silva (estudante universitário), André Gonçalves (engenheiro técnico da PT).

Desenvolvidos os objectivos e as linhas orientadoras pretendidos a todos os participantes, logo ficou determinada a intenção de a partir desse dia ser organizado um grupo associativo regional de astrónomos, mas inicialmente vinculados à APAA (Associação Portuguesa de Astrónomos Amadores), tanto assim que as primeiras aderências foram já concretizadas nesse encontro, caso de Duarte Joaquim, Nuno Silva e Miguel César de Barros. Fernando Góis era já aderente da APAA do ano anterior.

Novo encontro ficou agendado para o dia 11 de Maio de 2001, pelas 21h30, que teve lugar na sala da Biblioteca do Tribunal do Funchal (Palácio da Justiça), tendo nesse dia sido instalada a Comissão Organizadora do Grupo regional que integrou os seguintes elementos: Coordenador do Grupo: Fernando Góis, Tesoureiro do Grupo: Duarte Joaquim, Coordenador da Astronomia de Verão: Marco Joaquim.

Todos os elementos identificados na primeira reunião, à excepção de Fernando Silva e Ângela Andrade, aderiram como associados ao grupo e APAA, bem como João Miguel Garcia (estudante universitário), Jorge Mendes (professor de Educação Física) e José Décio Abreu (estudante universitário). Integraram o grupo cerca de 9 elementos que formalizaram a sua inscrição nos primeiros trinta dias, após a reunião de 24 de Abril de 2001. A quota associativa anual ficou fixada de forma idêntica à APAA, ou seja, em 200$00 (duzentos escudos) mensais ou 2.400$00 (dois mil e quatrocentos escudos) anuais, posteriormente, em 2002, convertida em €25,00 (vinte cinco euros) por ano.

O grupo ficou oficialmente formalizado a partir de 11 de Maio de 2001 e três dias depois foi aberta a conta na Caixa Geral de Depósitos, Avenida Arriaga, Funchal, para depósito e movimentação dos valores das quotas. Os montantes cobrados no decurso do primeiro mês foram encaminhados para a conta da APAA, em Lisboa, mas posteriormente, por negociação do Coordenador Fernando Góis, esses valores foram devolvidos à nossa conta da CGD no Funchal.

Inclusivamente, por determinação e promessa do Presidente da Direcção da APAA, Pedro Ré, foi oferecido o primeiro telescópio ao Grupo Regional da Madeira, um Skywatcher KONUS 150mm de abertura, o primeiro equipamento utilizado nas actividades a realizar. Apenas alguns membros tinham equipamentos caso de Marco Joaquim, com um Bresser Newton 114mm, além de um Meade 200mm, pertencente a Fernando Silva que normalmente não o disponibilizava para o grupo.

Após algumas actividades próprias no Pico do Areeiro e em algumas escolas da Região, surgiu a primeira astronomia de verão que foi realizada entre 15 de Julho e 15 de Setembro, com um programa que promoveu a visita dos astrónomos a todos os concelhos da Região, mas sempre vinculados ao programa nacional da APAA. No final, o Grupo da Madeira não recebeu qualquer compensação financeira, mas pelo seu trabalho desenvolvido a APAA ofereceu ao grupo um telescópio Dobson 250mm.

Mais tarde, no ano de 2005, porque existiam elementos e condições para funcionar um grupo de astronomia amadora, foi deliberado pelos seus responsáveis criar uma associação com o estatuto de instituição sem fins lucrativos, transformando-se o grupo inicial em Associação de Astrónomos Amadores da Madeira, mais conhecida pela sigla A.A.A.M., continuando-se com a mesma sede provisória em face de inexistência de apoios nesta matéria.

Até esta data, a AAAM tem cerca de 98 membros inscritos nos seus registos embora apenas 43 mantenham uma ligação ao grupo, mas apenas 31 sejam de facto elementos em acção de forma mais ou menos regular ao longo ao ano. Com este crescimento, os trabalhos de astronomia integram diversas vertentes, sendo exemplo disso a astrofotografia, a mais atraente para os astrónomos, a divulgação pelo público e escolas, a astronomia de verão de carácter anual, mas ainda a investigação planetária e cometas, além da espectroscopia que vai brevemente ser lançada no interior do grupo de trabalho.

Com um protocolo em marcha que tem o patrocínio da Câmara Municipal do Funchal, o projecto de instalação de um telescópio de média de dimensão na Casa do Areeiro será uma realidade perspectivada pelos astrónomos nos próximos tempos, desde que não haja barreiras aos objectivos propostos de alguns anos a esta parte.

Fernando Góis
Caniço, 21 de Julho de 2017